QUARTA-FEIRA, 13 DE NOV DE 2019
Untitled Document
NOTICIÁRIO - SOCIAIS
30 DE OUTUBRO DE 2018
Luta por uma vida mais digna

Mãe busca meios de proporcionar mais dignidade ao filho com paralisia cerebral

Daniel nasceu há 12 anos e durante o parto faltou oxigênio no cérebro, a situação gerou vários problemas. O garoto tem paralisia cerebral, escoliose, bronquioplasia nos dois pulmões e crises convulsivas de difícil controle. Ele se alimenta apenas através de sonda e sobrevive ligado a um aparelho de ventilação mecânica.

A mãe de Daniel, Patrícia Rejane Madeira Abreu, moradora do bairro Nossa Senhora da Conceição, em Sabará, diz que tem passado muitas dificuldades para manter o filho. Embora, a família receba o BPC ( Benefício Assistencial ao Idosos e à Pessoa com Deficiência), do Governo Federal no valor de R$954,00 (salário mínimo), a sua despesa é alta, só com Daniel chega a R$ 1.500,00 por mês, fora as outras despesas com água, luz, aluguel, alimentação e outras. Patrícia não tem nenhuma renda, já que seu tempo é totalmente dedicado a Daniel, sua filha mais velha que ajudava muito, pagando boa parte dos gastos, está desempregada, com isso toda despesa da casa e do tratamento do filho fica por conta do benefício.

Patrícia diz que a prioridade é pagar o aluguel no valor de R$ 550 e o plano de saúde de Daniel que é R$ 320. “Não posso abrir mão do plano, pois é uma maneira de dar mais dignidade a ele. Dessa forma ele tem assistência 24 horas por dia e qualquer problema tenho uma ambulância à disposição”, conta.

Logo, o beneficio cobre apenas essas despesas, o restante fica por conta da contribuição e ajuda de amigos. As contas de luz e água estão sempre atrasadas. O garoto tem uma dieta especial, só se alimenta com um leite em pó próprio, sem lactose, pois tem alergia e tem que tomar suco natural todos os dias. A alimentação é feita apenas através de sonda. Para manter Daniel, a família gasta um equipo (frasco utilizado para colocar a alimentação) de dieta e um pacote de fralda por dia. Ele só pode utilizar a Bigfral, pois tem alergia a outras. Além disso, são vários os medicamentos, um total de treze.

A Secretaria de Saúde do município oferece cinco equipos por mês, mas como Daniel utiliza um por dia, de forma paliativa, Patrícia está reutilizando o material, o que não é ideal, pois pode gerar alguma contaminação.

Diante de tantos problemas, Patrícia e sua filha Lorena, ainda tentam resolver uma questão na justiça. O INSS cobra da família cerca de R$ 15 mil de multa, alegando que o beneficio que o garoto recebeu por alguns anos foi de forma indevida. A alegação do Instituto é que nessa época o pai do garoto ainda dividia o lar com o menino e a mãe, recebendo um salário mínimo por mês, o que excluiria Daniel do beneficio, já que para ter direito ao BPC, é necessário que a renda por pessoa do grupo familiar seja menor que 1/4 do salário-mínimo vigente.

Vamos ajudar essa família que necessita tanto de ajuda.

As contribuições podem ser feitas através da conta da Caixa Econômica Federal:

Favorecido:

Patrícia Rejane M.

Abreu

Agência:0081

OP: 013

Conta: 01384389-7

CPF:741-916-246-87

Além disso, a família necessita de fraldas BigFral XG, lenços umedecidos, gazes, equipos, frutas e medicamentos.

Contatos: 98647-3508 ou pelo facebook: /@danielmadeira262

SOCIAIS
02 DE ABRIL DE 2015
Campanha Eu amo minha mãe!
31 DE OUTUBRO DE 2019
Festa para um legado
21 DE JULHO DE 2019
Rotary Club tem novo governador
31 DE OUTUBRO DE 2019
Olhando para o Futuro
04 DE DEZEMBRO DE 2018
DONA VÊNICA: uma vida exemplar
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados